"O Melhor do Pior" são mesmo "As Marias"


“Porque as coisas nunca acontecem como nós queremos” - grande pensador e filósofo este nosso Dr. Raminhos! Como é que ele consegue chegar a esta e a tantas outras conclusões todos os dias?! E sempre com conselhos inovadores, digamos… fenomenal sem dúvida! Parece que estou a ironizar, mas não - estou mesmo a falar a sério! Não deve ser fácil ser um “bom pensador” e fazer Portugal rir todos os dias pelo meio de disparates reais e aparentes.
Nunca imaginei sair destas “palestras cómicas” tão elucidada e com uma aprendizagem tão valorizada. 

“Ser pai é a melhor e a pior coisa do mundo…”
Pois é… pois é…! Podia escrever “pois é…” durante mais cinquenta linhas e ainda assim, acho que sem palavra nenhuma, todos os pais entenderiam na íntegra a ambígua sensação de ser “a melhor e a pior coisa do mundo”, bem como estaria a fazer jus ao “pai Raminhos”, ainda que não pareça! Se na verdade, quiserem saber as razões do meu “pois é”, só mesmo se conseguirem ir ver o seu último espectáculo O Melhor do Pior. Já agora, se também tiveram a oportunidade de ter visto As Marias, ainda entenderão melhor o porquê da alucinante viagem que é ser pai… e mãe também.

Podia acabar já aqui tudo o que me apetece escrever e mandar-vos apenas ir ver os espectáculos do Raminhos - tenho a certeza de que alguns de vocês ficariam muito gratos por não terem que ler tanto e tudo o que escrevo… mas eu gosto mesmo é de aborrecer e cansar as pessoas até à exaustão… ficam os melhores e mais resistentes - é só mesmo uma “tese” que ando a concluir, nada mais!

Pronto, foi por ser persistente e só desistir depois do fim, que consegui a proeza de ter autorização de conhecer o Raminhos pessoalmente mesmo sem qualquer marcação prévia. Após a permissão de quem de direito - e que desde já agradeço - tive de pensar em apenas alguns minutos que raio de pergunta lhe iria eu fazer e que ainda ninguém tivesse feito. Como hão-de imaginar não foi fácil mas lá tive uma ideia que achei curiosa e engraçada - e saiu isto:




Claro está que com as “minhas avançadas tecnologias” e com a tendência que tenho para situações incomuns, tinha de sair um video tipo Cinderela antes das doze badaladas - quase terminou antes de começar. Mas, no geral correu “quase” tudo muito bem, tendo em conta a sua paciência, simpatia e disponibilidade poucos minutos antes do espectáculo. Pois claro - tinha de ter um “quase”! Mas isso conto mais à frente na rubrica acabadinha de inventar: “Rabiscos do Caderninho”.
Com respeito à resposta dada pelo Raminhos no video, vou atrever-me a surripiar uma frase à sua casa matinal e dizer: “já agora, vale a pena pensar nisto…!!!”

No entanto e, porque não desisto de nada às primeiras, há um segundo video com uma segunda entrevista ao Raminhos, no dia 9 de Setembro feita na Lourinhã - capital do Dinossauro* em Portugal e talvez no Mundo todo! Deixo aqui também o meu sincero obrigado ao Miguel Bello, que ao ver “a repórter do caderninho” atrapalhada com os óculos, o telemóvel, a esferográfica e o próprio do caderninho a saltitar nas poucas mãos disponíveis para tanta coisa ao mesmo tempo, se disponibilizou a assumir o papel de “realizador” da minha entrevista que eu fazia questão que fosse o mais informal possível. 
Decidi portanto, incluir já esse video aqui pelo “meio do início” do texto, em consideração às pessoas que não gostam de ler muitas letras. Assim ficam já despachados! Atenção que não estou a condenar ou estereotipar - eu percebo porque, na verdade, para o que não me interessa muito, também sou um bocadinho assim! 
Basta portanto, descerem o cursor e irem directos para o segundo video - que por sinal teve de ser "tripartido" - uma vez que tudo o que tenho para dizer vai dar um livro daqueles gordos tipo José Rodrigues dos Santos (não, não estou a chamar gordo ao JRS, é só mesmo aos livros dele embora eu tenha conseguido comprar um “magrinho” e, que por obra do destino ainda hoje tenho a sensação de que ele usou uma das minhas “ideias idiotas” - falo e escrevo sempre demais…!). Num belo dia disse-lhe por escrito o que pensava e, acho que lhe dei um óptimo mote para quê? Pois, pra “inventar” mais um livro - o tal que é excepcionalmente “magrinho” (ai que ele ainda me mete um processo em cima… mas é sem medos! Se isso acontecesse, eu inverteria a situação e faria como ele faz no pequeno ecrã - apontava-lhe a minha melhor caneta, piscava-lhe o olho e diria: “boa noite, nós voltamos a ver-nos amanhã!”). Não, não estou a gozar! Também lhe admiro deveras o trabalho e agradeço de verdade todos os bons conselhos que me deu! E, pensando bem, agora que a conversa mudou de rumo de novo… reparei que tenho tido uma sorte gigantesca por ter tantas e boas pessoas a dar tempo e atenção aos meus sonhos e disparates… realmente, “há horas felizes”!
Pode parecer que me perco, distraio ou desvio do assunto real mas é propositado. Além disso, se a maior parte da humanidade considera que nada acontece por acaso, então, já estou desculpada e com todos os devaneios aqui escriturados antecipadamente justificados.

Assim sendo e, por falar em disparates, aqui ficam então os videos seguintes, para os que quiserem considerar esta entrevista já despachada. Saibam no entanto, de que perderão pormenores e dicas muito importantes para o vosso futuro como pais - agora estou mesmo a falar muito a sério e com conhecimento de causa!






Então, para os “corajosos e pacientes”, vamos lá ao que me interessa: foi em Janeiro de 2017 que pelo meio de um dia atípico, consegui ver As Marias no Teatro-Cine de Torres Vedras** (na minha terra natal - tinha de dizer isto com orgulho, embora nem sempre seja o melhor pra mim ter nascido lá, sendo também eu uma Maria… “meia-rapaz” - mas isso é outra história que não interessa para o caso e iria estragar o meu raciocínio todo… ainda mais!)
Logo no início do espectáculo e pela forma como arrancou a “palestra”, confesso ter pensado que à saída do camarote iria mesmo encontrar algumas cenas “erótico-pornográficas” a acontecer pelos corredores do Teatro-Cine… mas não - saiu tudo de forma muito educada e ordeira… embora ainda não tenha a certeza de que isso tenha sido um bom sinal.

Título: "Terapia Pais, Mães e Singulares" - Photo by Alda Silvestre 

O Raminhos é muito maluco como todos o conhecem, não é?! Ah, e dizem constantemente que ele expõe muito as filhas e mais não sei o quê?! Há também quem o acuse de dizer e fazer muita porcaria sem nexo. É verdade que ninguém acerta em tudo mas, a quem pensa isso não se preocupe porque a “Sanitana” deve tê-lo obrigado a assinar um contrato em que todas as bodegas ficam muito bem lavadinhas na Banheira das Vaidades - acreditem que se virem pelo menos “o programa de lavagem” onde estão incluídos o Manuel Marques e o Eduardo Madeira vão perceber que há “deslizes” e parvoíces essenciais à vida e porque é que rir faz um bem danado à alma. Identifiquei-me especialmente com o Manuel Marques que se ri por tudo e por nada e ainda por cima se verga todo para a frente como se tivesse uma grande dor de barriga ou uma grave incontinência. 
Também fiquei assim contorcida durante todo o espectáculo d’As Marias e com uma sessão gratuita de abdominais do riso, mas confesso que no final saí emocionada e literalmente com “uma lágrima no canto do olho”. Acham estranho?? Então experimentem ir ver O Melhor do Pior e ainda vão a tempo de entender. Talvez consigam melhorar ou mesmo adoptar a “arte” de saber viver o menos bom da vida da melhor forma possível - com sentido de humor ou a rir de preferência! 

Quase tudo é uma questão de perspectiva e penso ser difícil catalogar todos os tipos de pais mas na minha modesta opinião, tenho a certeza de que ainda há uma imensa variedade de “Pais Heróis” - gosto deste nome, desculpem lá - cheios de atributos, qualidades e super-poderes muitos especiais.
Pois é… lá virei eu para a parte séria de novo porque, depois de tanto rir com As Marias, tive de engolir a vontade dos meus sacos lacrimais desatarem a trabalhar, quando o Raminhos termina dizendo: “as minhas filhas não vão ter de me provar nada, porque se tiverem de provar é porque eu não as amei algum dia o suficiente”
Ouch… que grande verdade e que grande recado - confesso que saí de lá a respirar melhor e com menos uma tarefa existencial! 
Ah, mas pensam que terminou aqui?! Na-na-na-ná-ni-ná-nó - aniquilou-me por completo quando terminou o espectáculo com algumas pessoas já a começarem a bater palmas e disse: “estive presente no primeiro suspiro de vida das minhas filhas e gostava que elas estivessem presentes no meu último…!” 
Ai minha Mãezinha do meu Céu… que isto já foi demais para mim que sou uma comum mortal.

Pronto, vão lá agora chorar baba e pouco… muco, digamos assim, como eu fiz e serem todos muito felizes com os vossos filhos! Tratem bem as crianças por favor e digam-lhes e mostrem-lhes vezes sem conta de que são muito amadas porque só assim, com a cabeça cheia de sonhos acreditados é que “o mundo pula e avança”, tal como dizia o nosso António Gedeão e que nada tem a ver com o nosso António Raminhos… aparentemente!


"A Maria Leonor a folhear o álbum do seu primeiro ano" - Photo from Catarina Raminhos's Instagram



"3 estarolas" - Photo from Catarina Raminhos's Instagram

Love -Photo from Catarina Raminhos's Instagram

Amor a dobrar - Photo from Catarina Raminhos's Instagram


"Maria Rita a boicotar fotos de família desde 2010..." - Photo from Catarina Raminhos's Instagram


"Três estarolas. Tanta energia tão cedo..." - Photo from Catarina Raminhos's Instagram



"Manhãs de tudo ao molho" - Photo from Catarina Raminhos's Instagram



Pois é… o que pretendo transmitir é mesmo que depois de ter visto tudo e conhecer um pouco mais da sua pessoa - do Raminhos - recordo-me de ter pensado:  “era bem capaz de ter dado um bom resultado em mim se dentro do meu pai também tivesse existido um espécime como este”. 

Obrigada por tudo Dr. Raminhos!
Fiquei com a convicção de que também é um dos melhores pais do mundo!


E é isto - "um sorriso é o suficiente para esquecer isso tudo..." - Photo by Catarina Raminhos's Instagram


* * * * *


* Rubrica Rabiscos do Caderninho *

De cada vez que leio os rabiscos que escrevi pelo meio dos espectáculos, estrago-me a rir esteja onde estiver. Sim, por vezes as pessoas ficam a olhar… mas é inevitável porque a minha memória é muito minuciosa e lembro-me de muitos pormenores hilariantes.
Não quero nem vou ser “spoiler” de forma a saberem o conteúdo d’O Melhor do Pior mas vou tentar aguçar-vos a curiosidade.
Já do espectáculo As Marias vou revelar um pouco mais mas, nada de excessivo.

Neste último e tal como tinha prometido, aqui vos deixo algumas notas soltas e a forma peculiar de como conheci o Raminhos:
. Fui levada escada acima logo a seguir à chegada do jantar.
. Aguardei na frente da porta com a colaboradora do Cinema e… ouvimos a descarga do autoclismo - "oops, isto não se faz a ninguém…!" - pensei eu… e disse - olhámos uma para a outra e sorrimos.
.  A porta abriu ao fim de um tempo que senti ser uma eternidade - 1min!
. Apareceu um senhor alto, magro, de barba e com cara de “alguns amigos”.

"- Já tinha mandado entrar…! - disse ele.
- Ah, desculpa! Não ouvi…! - (lógico - só tinha o barulho do autoclismo na cabeça…!) 
- Onde queres gravar?
(Com tanto espelho à minha volta, sabia lá eu onde queria e devia gravar!)
- Não vou ocupar muito o teu tempo e só quero fazer uma pergunta… mas não quero que se ouça a minha voz, ok?!
(E aconteceu algo inédito… mas tinha de ser ali, na frente do Raminhos - o telemóvel não ligava por mais botões que eu carregasse - estava mudo e tooodo preto!)
- Ai, não acredito… isto nunca me aconteceu…!
(E ele foi sorrindo de forma muito educada à espera que o telemóvel desse sinal de vida, mas  pelo meio da conversa de circunstância e justificações, decifrei-lhe nos olhos o que um dos seus neurónios estava a pensar: “mas que grande croma me saíu na rifa hoje…!”)
- Ahhhh, finalmente…bolas…! Estava a ver que não…! Desculpa!!!
(Ele lá respondeu à pergunta, reformulando ele mesmo a própria pergunta que eu lhe tinha feito previamente para que não se ouvisse a minha voz - que parvoíce a minha! No segundo video e perante o manager/realizador Miguel Bello, tive que arrumar a vergonha e deixar ouvir-se a minha voz - bem feita!
Quando o Raminhos ía dar continuidade de raciocínio e desenvolver a resposta que até parecia ir ter um conteúdo muito interessante… pufff - terminou o espaço de memória do telemóvel!)
- Ohhhhh…! - balbuciei e, assim fiquei eu de boca aberta e com cara de parva a olhar para o ecrã."

* * * * *

E pronto, isto é o que eu considero que correu tudo muito bem! Note-se que até duas horas antes do espectáculo ainda não imaginava que me iriam autorizar a falar com o Raminhos. Mas é verdade - correu mesmo tudo muito bem! 
Aliás, sem saber e sem ter programado, depois de ver As Marias tive o melhor “Assalto de Carnaval” em mais de uma década - é porque eu já merecia - revi amigos que não via há muito, conheci outros que me foram apresentados como sendo Bombeiros*** e que estavam mascarados de Matrafonas. Ao mesmo tempo que todos parecíamos amalucados no meio daquela folia toda, parei por momentos dentro de mim a olhar para a alegria deles e percebi que o bem e o mal podem estar sempre no virar da esquina mas, que nós por vezes, também temos a opção de só dar a mão da felicidade, àquele que escolhermos levar dentro do peito… e convém que seja o bem. 
Nem sequer podia eu ou qualquer um deles imaginar que iríamos passar pela calamidade que passámos no nosso País neste ano.
Portanto, nunca é demais agradecer a todos os Bombeiros e a todos os particulares - anónimos ou não - por tudo o que fizeram e continuam a fazer! 
Obrigada também ao António Raminhos por ser um desses particulares e ajudar aqueles que estão mais tristes a ter motivos para voltar a sorrir.


Rabiscos de "O Melhor do Pior"

-“Tripulação… Avião… Ilhas”
- “Éramos putos muito parvos”
- “No mesmo ano que me vai nascer uma filha…”
- “Fez cocó ou não fez cocó…?”
- “Estrelas porno…”
- “A vossa família é muito particular…”
- “O pai salva a borboleta… onde? Onde…?” - fiquei com a sensação de que me daria muito bem com a Maria Inês… não sei bem porquê… por uma questão ambiental talvez!

Rabiscos de "As Marias"

- “Eu não gosto de ti Paaaiiiii…!”
- “Reuniões da Tupperware eram na sala… só havia 1 TV… fingia ser surdo”
- “Ser pai no reino animal é muito complicado…”
- “Chatear a cabeça aos putos - pequenos ditadores”
- “No corredor dos brinquedos - ficam iguais ao Chucky”
- “Desço ao mesmo nível - mesma idade mental!” 
- “Maria Rita - sádica como a avó!”
- “Dizer asneiras…repetem tudo com a mesma entoação.”
- “Passamos a vida a esconder coisas dos filhos/crianças… e depois o “eu” deixa de existir… nem na sanita!”
- “Eu sei, eu tou a ver no buraquinho…” - só por acaso eu fazia o mesmo ao meu pai!


O Melhor do Pior são mesmo As Marias 

“O Melhor…é aquilo que elas me dão de ideias e de coisas do dia-a-dia, que eu tenho coragem de dizer e não tenho vergonha”.

“O Pior é o cansaço no meio disto tudo e o desgaste que tem… mas faz parte, no fundo é como o Tony Carreira diz: ‘é a vida que eu escolhi’… portanto… siga…!” 
(Atenção - não inventem mais processos de nada porque nesta altura ainda nem tinha saído a polémica dos plágios, ok?!)

“O Melhor do Pior… no dia-a-dia, todos os dias em casa… os sorrisos… um sorriso é o suficiente para esquecer isso tudo…!”

“E onde quer que me vejam por aí, falem comigo, convidem-me para tomar café, sou uma pessoa completamente normal! Só não me convidem para comer arroz doce…!”  .



Photo by Raminhos's Instagram

Ps. Percebem agora porque tive de andar a "roubar fotos autorizadas" do Instagram da Catarina Raminhos?? Pois é! É que no Insta do marido só encontrei "fotos-cocós"! :-)





The end…
For now and just today



_________________________________________________________________________________

* Tenho fotos originais e documentários interessantes para uma futura reportagem à Lourinhã - Capital do Dinossauro, onde também tenho muitos e bons amigos e, não estarei propriamente a falar só dos dinossauros…!

** Está há alguns anos nos meus planos fazer uma reportagem ao meu querido Teatro-Cine de Torres Vedras.  Depois de toda a atenção e amabilidade neste dia, passou a ser obrigatória! Espero bem que ainda a consiga fazer antes de se legalizarem as autorizações de compra de terrenos na Lua…!

*** Homenagem aos Bombeiros.

Comida Viva

Num passado recente tive conhecimento de que há uma outra forma de fazer refeições saudáveis. Basicamente tem a ver com germinação de sementes antes de preparar e só utilizar os alimentos que menos precisem de ser cozinhados ou alterados pelo calor. 

No momento estava a lavar louça de costas para a televisão e, antes de ter tempo de limpar as mãos e de me voltar para ver e ouvir com atenção o que estavam a dizer, o meu cérebro imediatamente foi buscar "ao meu disco rígido natural" as memórias das várias imagens de todos os alimentos e pratos de comida que eu já tinha fotografado - prática muito em voga agora nas redes sociais. Não estou de todo a criticar quem o faz! Até porque acho muito bem que cada vez mais pessoas se preocupem com essas questões! Na verdade, é no agir e no passar da palavra do conhecimento comum que mais se enraízam os bons hábitos! Infelizmente alguns dos maus também... mas isso já é outro debate e eventualmente ficará para um outro post!

Voltando ao assunto que me interessa - fiquei muito contente comigo naquele preciso momento em que limpava as mãos e pensei: "olha que giroooo! Mas isso já eu façoooo - consigo dar 'verdadeira vida' à comida... logo posso considerar que a minha dieta é de 'Comida Viva' ".

Passo a apresentar as fotos que me passaram pela mente - todas "feitas", vistas e, fotografadas por mim:

                             
 [obrigada ao fogão, à mesa, ao terraço/esplanada e à dedicação da Betty]




            [alimento consumido cru - portanto, foi comido como "Comida Viva" - desculpem os trocadilhos mas a culpa é mesmo da Língua Portuguesa.]




 [esta comida então, estava "viva demais" - eu diria mesmo hiper-activa! :-/ ]




Pronto, como já devem ter percebido, não era nada disto que estavam a falar na televisão...!!!

Eu sei, eu sei... uma pessoa normal estaria aqui apenas a postar fotos tipo esta:


[Obrigada à minha família de amigos Holandeses que me proporcionaram tirar esta foto no Restaurante Cais da Praia]





Agora a sério - não vou promover ou indicar links sem conhecimento de causa... mas procurem na net Comida ou Alimentação Viva porque é capaz de ser muito interessante, saudável e ecológico.

Pois...também imagino que agora estarão alguns de vocês a comentar: "eichhh, que desactualizada que ela estáaaaa...!"
Eu respondo: "é muito provável mas com a quantidade de anos de culinária traumatizante e obrigatória que tive, agora, qualquer espaço de tempo superior a uma hora na cozinha faz-me urticária e borbulhas com 'cagulos'! Além disso a minha Estrela-Mãe não fez o sacrifício de me gerar com os pés mais pequenos para eu chegar mais perto do fogão... foi só mesmo para economizarmos no valor dos sapatos quando estão em saldos!"












Amo-te depois, está bem?!

Serei eu o meu próprio espelho da imagem de ti?




















- Amo-te depois, está bem?!
- Depois?! Não, não está bem!
- Mas... agora não tenho tempo pra ti... preciso de respirar vida, trabalhar, divertir-me... não perder tempo desnecessário com nada nem com ninguém, entendes?!
- Não, não entendo!
- Então é assim - se agora perder tempo contigo, não vou poder dar-te nada mais tarde...!
- E falas de quê mesmo?
- Sei lá... de atenção, carinho, amor, presentes, dinheiro... sei lá, uma infinidade de coisas. Mas só faz sentido pra mim se for depois. E mais, quando eu quero e posso... e também quando me convém, claro!
- Ah, entendo...!
- Entendes mesmo?! Que bom! Nem sabes como me sinto aliviado por entenderes!
- Pois... mas não percebeste pois não?!
- O quê...? Não percebi o quê exactamente?
- Não percebeste que entre o meu entender e o meu querer ou aceitar essa tua forma de gostar de mim, há um abismo que nos pode aniquilar aos dois.
- Hem?! Agora não percebo eu...!
- Eu explico! Explico hoje o que nunca soubeste entender nos meus actos, sorrisos, lágrimas, brincadeiras ou até na rispidez ou agressividade de uma palavra ou um gesto; explico hoje o que te irá acontecer amanhã por só me quereres amar sempre depois e dessa tua maneira; explico hoje que te amei desde o meu primeiro abrir de olhos naquele dia e que vi o teu rosto - apaixonei-me por ti nesse instante! Amei-te de várias formas e sem medida possível de se imaginar! Ainda te procuro e tento encontrar no outro lado das pessoas, mas de nada me serve porque, se já nem és inteiro dentro de ti, como poderás tu estar completo em algum lugar?! Nem imaginas como quis que me tivesses amado todos os dias como te amei a ti com e sem dor, ali, naquele agora que ficou para depois. 
Não, meu Amor Especial! Não quero que me ames depois, quando tiveres tempo e por um acaso te lembrares de mim! Já não quero! É que nesse teu tempo livre para me amar, eu já não estarei aqui onde me vês agora! Não será por falta de amor a ti, mas sim, porque ainda acredito que então, já terei aprendido a amar muito mais a mim num agora, onde não cabe a distância de um tempo indefinido na espera do teu amor inteiro só pra mim!
- Então... e agora?
- Agora... quero voltar àquele minuto em que fui a "tua pequenina" e, deixas-me caminhar...!






Para o meu Amor Especial que só soube "amar-me depois"...! Também eu já estou num futuro impossível de alguém chegar a tempo de me parar. Ainda assim, sonho com a magia de que ainda caminho no sentido de lhe fazer desaparecer a dúvida de que é e será sempre importante em toda a minha "vida terrena e inter-galáctica". Mas sim, tenho o defeito de só saber "amar no agora" que preenche o meu passado, o presente e o futuro.


22 Agosto 2017
Alda Silvestre


Photos - Porto 2014 - also by me ;-)


Alda's translation arriving soon... in about 6 months! :-)


"E Você? Quantas molas já perdeu?" Eu cá já perdi as molas todas...!

                                                           Photo by Alda Silvestre


Há largos meses que vejo fotos da Dânia Neto pelas montras das farmácias da zona Oeste. Imagino que também deve estar em muitas mais por este País fora.
Antecipo que não estou a fazer qualquer publicidade ao produto mas acho muito bem que estas fotos apareçam em farmácias para que assim, qualquer dor de cabeça masculina ou dor de cotovelo feminino que eventualmente se manifeste em qualquer pessoa que as veja... já se encontra no sítio certo para adquirir um paracetamol ou uma pomada deveras eficaz que atenue a dor de cabeça ou a dor articular no meio do braço.
Por falar nisso, a braços com uma pequena dieta e estruturação abdominal ando eu há cerca de três anos mas pronto... confesso que por pouca motivação, pouca paciência, não muita tolerância à dor e outros afins que não são para aqui chamados, ainda não tenho uma... saia igual à dela!

Ía eu a subir a Rua da Praça da Fruta, quando vi uma foto idêntica na montra e, mediante a pergunta lá inscrita - "E você quantas molas já perdeu?" - de imediato obtive a resposta do meu "sininho" - "desculpa lá minha querida mas tu já perdeste as molas todas!". No mesmo instante perguntei-me se seriam as molas da saia, da roupa ou as do cérebro... mas isso não será o mais importante, certo?! Certo! Na verdade o que realmente importa será sempre, não descurarmos a nossa imagem nem deixar de cuidar de nós com mimo, quer sejamos magras, gordas, baixinhas, "compridas" - como dizia uma vizinha da minha mãe - ou perfeitamente normais - mediante o conceito de "beleza normal" de cada um, claro! 

Naquele momento não consegui tirar foto porque ía a conduzir. Fiquei com isto na cabeça e voltei lá uma semana depois, em modo pedestre, para tirar a desejada foto para este post. Mais uma vez a vida diária me ensinou o velho ditado - "não deixes para amanhã o que podes fazer hoje" - o cartaz já tinha  sido retirado da montra... cheguei ao cúmulo de lá ir dentro perguntar porquê ou se eventualmente eles o teriam guardado e que eu o pudesse fotografar? Não estava! O senhor que me atendeu ficou de olhos arregalados com um ar de quem na realidade pensou que não seria bem do cartaz que eu estaria a precisar... mas fui educadinha, disse obrigada e saí!
Por sorte, voltei a cruzar-me com as fotos da Dânia Neto numa outra farmácia bem mais longe de mim, mas já não deixei passar a oportunidade de lhe fotografar as molas sem estendal. Por acaso uma senhora passou por mim aquando do sucedido e virou-se duas vezes para trás acenando a cabeça em reprovação. Deve ter pensado - "coitada... vê-se cada coisa neste mundo...!" 

                                                                             Photo by Alda Silvestre


Na verdade, quando digo que perdi as molas todas é porque após um período de stress elevado e de ter ficado excessivamente magra, à posteriori e logo de seguida engordei oito quilos em dois meses.  Nunca me tinha acontecido e confesso que além de alarmada, não consegui adaptar-me "em tempo real" a este meu novo peso. Daí ter pensado que mesmo que tentasse colocar molas na minha cintura, elas saltariam de imediato tipo pipocas ao lume. Ainda não desisti da luta, mas recuso-me a sofrer que nem uma condenada para validar o outro velho slogan de "beleza a quanto obrigas?"! No way!

Quanto à nova pergunta que aparece nos flyers - "a quantas molas estás do teu Verão ideal?", só me surge responder - "estou a quantas molas forem necessárias para manter a minha roupa de Verão bem  pendurada, seca e arejada! Pois, porque com tanto calor, é a única coisa que me acontece assim mesmo 'rapid'!" 

                                                                               Photo by Alda Silvestre


- "E você? Quantas molas já perdeu?"
- Eu cá já perdi mesmo as molas todas!!! Ou será que não...?! Ainda bem que tenho algumas homónimas penduradas por aí...! :-)


Foto tirada há mais de 3 anos e cedida pela aniversariante LC (obrigada às duas Belezas - LC e EL - pela autorização!)


Sabem que mais?! Cuidem-se sim o melhor possível para serem muito saudáveis e ficarem todos pessoas  muito giras - é importante, sim! -  mas não tenham dúvidas de que o que faz as pessoas mesmo lindas em todas as suas formas é apenas a quantidade e qualidade dos momentos de felicidade de cada dia! Sem isso, não há "corpo fit" que aguente o turbilhão e a rapidez da vida.


Agora, "vou ali a correr viver e já volto!"
Pelo meio, tentarei arranjar uns truques de vida saudável! Prometo que no caso de perder uma ou duas molas na saia, venho aqui dizer qual foi o segredo! ;-)



Frase inventada pelo meu neurónio para justificar a urgência e necessidade do momento em fugir na direcção da vida. A quem a "ofereci", reparou no pormenor e decidiu transformá-la em algo importante. Obrigada prima Renata Paulo - espero estar à altura do "retorno" da tua Arte!!!




[Só um aparte - já sei que sou suspeita em termos de arte mas também admiro muito o trabalho da Dânia Neto - talvez ainda este século consiga ter a honra e fazer a proeza de a "entrevistar à minha maneira" tal como os Xutos & Pontapés cantam! Mas sim, claro que antes estarão os amigos, familiares e conhecidos mais próximos tal como "tu, tu e tu..." - vocês sabem quem são!]




3 de Agosto 2017
Alda Silvestre






Mensagem de Um Sol: Protege-me de ti...porque as Árvores não se repetem


                                                                         Photo by Alda Silvestre


" Oh bicharada esta do camandro...  fogo! Ai, fogo não - enganei-me na palavra! Desculpem lá!
Tanto acordo e negociação que fiz com as nuvens para apagar os vossos fogos e agora voltam a reclamar - 'ai tanta chuva!'. Tanta chuva??! Juro que não vos percebo!
Também gosto de andar por aí a exibir-me a todos os planetas que sou forte, incandescente e luminoso, mas decidi recolher-me e esconder-me por uns dias da Terra para vos dar uma trégua à vossa auto-destruição. Que pobres e mal agradecidos me saíram!
Segundo me parece e do que posso espreitar daqui, acabaram-se os fogos - verdade?! Então?? Agora reclamam de quê?? Da chuva?! Coitadas das nuvens - apagam-vos os fogos, ajudam-vos na rega dos terrenos de cultivo... e vocês reclamam. O que querem mais? Não há mesmo quem vos ature e vos entenda!
Porventura já imaginaram como me sinto quando tudo arde? A asfixia que é destruir todo o fumo que me obrigam a engolir? Ano após ano, repetem sempre o mesmo... e não digam que é do calor excessivo e da alteração climática, porque não é! Há muitas décadas, os países e os continentes não ardiam anualmente só porque estava calor...!



                        Photo by Alda Silvestre - Caldas da Rainha 


Desde que inventaram a riqueza do dinheiro com e sem árvores, é que vocês ficaram malucos - ou plantam ou ardem para enriquecer...! Imaginem só que até conseguem chegar à alucinação e demência extrema de simplesmente atearem fogo, apenas porque gostam de "ver arder e sentir a adrenalina de ver os coitados dos bombeiros em acção"...! Ora, para vocês suas pobres almas doentias, atrevo-me a dizer que o que eles fazem não é estar "em acção" mas sim a colocar a própria vida em risco em prol da vossa por exemplo que, no momento do "ataque mental", na verdade não vale nem um galho seco. Mas que "estranha forma de vida"...!?!
Vejo daqui que poucos são os que plantam só para enriquecer a Terra e sem segundas intenções. 
Talvez sejam poucos também os que cuidam das áreas circundantes das árvores e respeitam normas de protecção dos terrenos envolventes.
Menos ainda são os que a defendem e por causa disso arriscam-se a perder a própria vida na crença absoluta de que conseguem salvar o planeta. Mas agradeço a todos quantos querem manter e proteger a natureza o mais possível!



 
Photos by Alda Silvestre


Aos outros... só tenho uma coisa a dizer - Eu, a Terra, a Lua, as Estrelas e tudo o que faz parte deste cosmos mais ou menos organizado, vamos existir e transformar-nos para sempre no infinito. Vocês - a bicharada do catano -  é que acaba em menos de um milésimo da nossa existência.
Nem imaginam como andei zangado convosco este ano! Confesso que houve dias em que só não me viram as lágrimas porque elas secam assim que me saem da alma tal é a intensidade do calor. Costumo ouvir-vos dizer "os Homens não choram".. e pensei: "que bom que é não ser feito de Homem; que bom ainda existirem na Terra bicharocos que choram e que lutam...!"
Ainda acredito que alguns de vocês vão inventar um tecto protector que me abrigue deste ar irrespirável que me asfixia em cada Verão. Assim, tipo uma casinha onde eu possa esconder-me lá dentro, abrigar-me e proteger-me até o pior passar. Sabem?! Aquele pior do fogo que vocês me dão, tudo varre, muitos mata e, depois ninguém foi, ninguém viu e ninguém sabe de onde vem!
Há dias em que fico tão triste e desapontado que me apetecia apagar-me de vez! Para sempre... deixar-vos na escuridão! Para o resto das vossas vidas... seriam muito curtas decerto!
Mas depois... acho que seria uma injustiça da minha parte para os outros seres que não têm culpa nenhuma das alucinações esquizófrenicas de alguns.
Gosto de os ver por aí felizes nas suas lutas diárias de sobrevivência e gratos por cada dia de vida simples. São só esses que me fazem sentir válido a cada amanhecer que vos ofereço!

















                                                                                                     
Ainda me questiono como é que vocês podem ser tão estúpidos??? Ralham e castigam os vossos descendentes porque fazem disparates e coisas parvas... E vocês?? Já pararam para pensar na gigantesca gravidade dos vossos disparates??? Estúpidos!!! São completamente ignorantes e infelizmente, alguns de vós são apenas e só uns criminosos de mentes vazias e retorcidas sem emenda nem merecedores de qualquer tipo de perdão! Estou tão, mas tão zangado! Nem imaginam...!!!

Ai que escândalo, vejam bem - ofendidinhos porque vos chamo de criminosos e vazios... sim, vazios e cheios de nada! Quem são vocês, afinal?
Querem amanhecer com dias saudáveis e cintilantes e sem dó nem piedade, asfixiam-me com a cinza de todas as árvores que ajudei a crescer... Pois, na verdade não fico só triste - fico zangado também! Já viram bem a dimensão de áreas negras que deixam cravadas no planeta???
Agora, já nem vos posso dizer se vale a pena irem a correr plantar muitas árvores... só porque na verdade elas são iguais ao Homem - não se repetem nunca mais! E se ainda não perceberam, deixem-me dizer-vos que também são insubstituíveis!
Eu só queria tê-las todas de volta!!! Quero porque quero e porque gosto delas e também porque me fazem falta para vos dar oxigénio, alimento e vida em retorno... aquela vida que a maior parte de vós já não merece! Que vergonha!
Destruir e arder a própria casa é o mesmo que matarem os próprios filhos... ou será que não percebem isso de uma vez por todas?! Não percebem que acabam convosco um pouco mais todos os anos?
Amanhã talvez... ou ontem, ou antes de ontem, ou na semana passada... tal como acabou para algumas jovens vidas junto das suas queridas árvores... tão triste... terem de as defender ate à morte! E o pior dos piores é que de pouco lhes serviu o sacrifício...

Irei ouvir-vos falar deles com pesar... mas sei que será apenas por alguns dias, meses talvez! Depois, amanhã, no próximo ano... repetir-se-á tudo de novo - lamento tanto por eles, pelos pais, avós, filhos, irmãos, amigos... quando o seu único crime foi amar as árvores e acreditarem que conseguiriam salvar o mundo... e morreram sem conseguirem salvar a si mesmos.
É precisamente nesse "depois" que aos poucos, os progenitores e descendentes desses "seres maiores"  vão morrendo de uma dor chamada saudade, aqueles que ficaram mais pobres... sem árvores, sem casas e sem as vidas dos que mais amam.
Afinal, alguns de vós ainda são bons... que pena é já não saber ou conseguir distinguir-vos daqui -  parecem-me todos iguais e cinzentos.
Gostava muito que pudessem parar só um bocadinho... para que possam viver um pouco mais num caminho mais certo.


                                                 Parque D. Carlos I - Caldas da Rainha (Photo by Alda Silvestre)


Há pouco, numa pequena fresta de céu limpo consegui ver aí em baixo alguém que chorava encostado numa das minhas árvores - os filhos, os pais e amigos de alguém... trouxeram-lhe o coração para junto das Estrelas e agora, já não podem voltar para lho devolver. Nunca mais!
Tal como as árvores, as vidas não se repetem."

Vou descansar um bocadinho, fechar os olhos e esperar em vão de que amanhã, alguém conseguiu fazer um milagre...!
Cumprimentos,
Sol"



Ps. Já agora, um grande OBRIGADO a TODOS os que ainda amam as Árvores e lutam por elas da mesma forma como lutam pela vida - a deles e a dos outros! Aliás, é ao contrário - lutam primeiro pela dos outros e depois pela deles.



[Este Post foi escrito há cerca de 2 anos, num dia de chuva intensa de fim de Verão em que só ouvia pessoas a reclamar da chuva. A intenção seria apenas alertar de que é urgente fazer algo eficaz em cada ano, para evitar que os fogos se propaguem de forma desmedida e de cada vez que "acontecem". A grande e desgastada palavra "prevenção" - com tudo o que ela engloba - é na verdade a solução pra este flagelo! 
Não podemos achar normal ou habituarmo-nos a adormecer tarde e acordar cedo com notícias e imagens terríveis de fogos gigantescos junto de habitações onde algumas são a única riqueza material de uma vida inteira ou, a devorar áreas completamente inacreditáveis num país do tamanho do nosso! Atrevo-me até a dizer de um planeta do tamanho do nosso e, que por acaso é o único que temos para existir! Como é possível ouvirmos dizer que num mesmo dia existem centenas de focos de incêndio?! Centenas??? Milhares de "homens mobilizados para o terreno"?! Isto não é de todo normal!!!

Infelizmente, o que eu penso ou o que milhões de pessoas pensam e sentem por esse mundo, não faz qualquer diferença aos "culpados" das calamidades atrozes e perdas irreparáveis sucedidas no passado mês de Junho de 2017 no nosso País - e que infelizmente continua - bem como qualquer fogo que transforme em cinza, áreas gigantescas ardidas no planeta e queime num ápice todos os animais indefesos - racionais e irracionais.
Este texto perdido nos confins do meu blog e do meu cérebro, só fará sentido existir se, por acaso, conseguir poupar uma vida ou uma árvore que seja ou ainda, remediar uma ínfima porção de terra com o acto de dar vida a mais um "ser verde" no planeta.
Depois de tanto... ainda não me tinha pronunciado sobre nada disto. Houve dias em que, quem comigo comentou a desgraça, deve ter pensado - "mas que frieza que ela tem na alma...!"
Pois... mas como nem tudo o que parece é, confesso que após ver as formas físicas de quem sucumbiu ao terror e as imagens que me deixaram temporariamente sem conseguir sequer falar sobre o assunto, bem como perceber a falta que essas vidas fazem e farão para sempre enquanto outras vidas existirem... fizeram com que me emocionasse por ter a sorte de estar viva sem destino e me sentir tão ridícula com as minhas dores apenas porque há dias em que nada disto faz sentido - estamos vivos todos os dias por mero acaso e também morremos todos os dias "porque tem de ser" e, em muitas das vezes, de forma antecipada, por estupidez pessoal ou alheia.

Muito há ainda por falar sobre este assunto mas, aos reais afectados, já nem a eventual "justiça monetária" que possa vir a ser feita, servirá de arranjo ou consolo da alma ou do coração. Talvez valorizem mais quem do pouco tempo e poucas condições fez muito para lhes ofertar - bem haja a todos os intervenientes nesta e noutras causas de vida idênticas! 
De qualquer forma, costumo dizer que o resto do pior vem muito depois das calamidades sucedidas - desculpem se vos desiludo ou pareço pouco positiva mas é a verdade de uma realidade que só quem a atravessa sabe confirmar. Mas sim, não tenho dúvida de que no futuro, irão existir histórias de vida maravilhosas desencadeadas por estes dias de terror... no entanto, ficará para sempre um resto de dor que a memória não os deixará apagar enquanto existir.

É por tudo isto que penso: de que me serve a mim chorar, se as minhas lágrimas são como as do Sol - secam rápido demais e infelizmente não apagam fogos!]





10 Agosto de 2017
Alda Silvestre







Não, não escolhi Linkin Park porque o Chester Bennington foi "morar nas Estrelas" mas sim porque a música tem tudo a ver com o post e porque sou muito fã (obrigada Pedro!!!). Infelizmente e por coincidência partiu no mesmo mês em que tivemos tanta gente a ir "morar nas Estrelas" também... just because we "Burn It Down" every day.








Porquê? Porque sim!

Estava eu para aqui a divagar sobre alguns assuntos e atitudes tomadas em relação a acontecimentos vários - normais, anormais e suis generis - da vida quotidiana de tantos de nós, quando subitamente re-descobri a chave e uma das soluções para quase todos os problemas. Isto é, não descobri nada - apenas relembrei de uma estratégia fantástica.



    "O mergulho forçado do Spiderman no chá do DSF - Diogo Fernandes"



"- Ahhh, mas porquê?
- Porque sim!  
- Então mas assim... estragaste-me o chá! Porque fizeste isso?!
- Porque sim e porque me fez rir!"

É resposta de criança? É pois! E que bom que é! Só porque pertence a uma criança o "sim" fica do tamanho da imaginação, do tamanho da vida! 
E não pode ser igual pra mim também?! Neste caso... por acaso até foi! 
E se me apetecer só dar respostas de criança? Fica estranho e esquisito?! Ok, não faz mal! Vão zangar-se, repreender-me ou banir-me?
Sempre ensinei às minhas crianças de que era necessário justificar os porquês... actualmente já não tenho assim tanta certeza disso! 

                    
                                                                       "Vila Natal de Óbidos 2016"


E que... grande porcaria!!! Tinha acabado de escrever um texto tão bonito, erudito, elaborado e cheio de coisas interessantes... digo eu... quando, só porque carreguei numa tecla errada e não estou habituada a este teclado... me apagou tudo e fiquei sem nada! Bolas, raios e coriscos e mais uns quantos nomes feios que me estão para aqui a passar na mente em "rodapé"!!! Não, acho que é mesmo em "roda-cabeça"! Pronto, no fundo, é muito bem feita, não estivesse eu aqui com teorias de que eu é que sei a teoria do "porque sim" - acabei de receber a minha própria lição em forma de boomerang..! Toma e embrulha!

Afinal, é mesmo como digo - o melhor que tenho escrito na vida está apenas bem escondido no meu único neurónio, guardado na minha "Brain Pro" e, aconteça o que acontecer e diga eu o que disser ou fizer, ainda que pensem que falo ou escrevo demais - não tem sido o caso - nunca me conseguirão  conhecer na totalidade pelo simples facto de que o melhor e o pior de mim, está aqui mesmo ao lado - no futuro de cada vinte e quatro horas do meu dia seguinte. 
Não importa nada o que for escrevendo aqui. Venha o que vier de ontem para hoje e, até amanhã, as minhas principais missões, já foram todas cumpridas! Agora, o que vier a seguir será apenas o resultado do que fui no passado, a atravessar o presente de um futuro que estava guardado para mim e talvez, escrito num "mapa do tesouro" que trouxe comigo ao nascer. 
A maior riqueza de uma vida já consegui! Mas não, ainda não encontrei o tesouro. No entanto, o futuro de hoje, já é o meu passado mais precioso!



                                                      Praia do Guincho - Santa Cruz (Torres Vedras)



O resumo do que já nem eu consigo apanhar ou transmitir novamente - porque nada se repete - era apenas o facto de que só consigo ser feliz quando faço o milagre de trazer para o mundo dos adultos, as alegrias, disparates e infantilidade das crianças. Também eu era uma criança quando comecei a tratar de outras crianças muito próximas do meu coração, quer fossem da família ou não. Ainda hoje, fico numa felicidade imensa quando um bebé me sorri só porque lhe apetece, um menino pára no meio da rua para me dizer "oláaa!!!" ou quando me dão um abraço apertado como se me conhecessem desde sempre...se calhar até conhecem e eu é que estou a anos-luz de os entender.
Certo é que sem se aperceberem me arremessam para os meus dias de criança em que era uma felicidade imensa apenas sonhar que conseguia voar, andar de bicicleta ou perceber que já sabia nadar nas ondas mais carinhosas do Penedo do Guincho ou da Praia Formosa.



                                           Photo by AldaSilvestre: Livraria "Ler Devagar" - Lx Factory - Lisboa



                                                        Penedo do Guincho - Santa Cruz (Torres Vedras)


                                       Passagem da Praia Formosa para a Praia do Penedo do Guincho - Santa Cruz


                                                           Piscina Natural da Praia Formosa - Santa Cruz



                                                   Praia Formosa - Santa Cruz (Torres Vedras) - Portugal



Se já existiam muitas perguntas, algumas polémicas e um longo "coma induzido" neste meu blog, desde a época que me "empurraram" nesta viagem, agora, ainda irão surgir mais perguntas, mais polémicas e provavelmente mais "comas induzidos" por tempo indeterminado de cada vez que me apetecer, apenas porque decidi desde o ano passado - a 29 de Agosto de 2016, mais precisamente - concorrer aos "Blogs do Ano". 
Não, não vou dar-vos as respostas que os meus mais próximos já sabem. Como criançola que sou, vou deixar-vos apenas os porquês - sim, porque ainda estou muito a tempo da idade dos "porquês".
Aliás, vou facultar-vos apenas uma resposta!



Reporter Anónimo (tipo Spiderman):

- Se já sabias disto há tanto tempo, porque é que só concorreste este ano?
- Porquê só agora nos últimos dias do prazo limite?
- O que é que ganhas com isto?
- Não tens receio de te expôr assim em larga escala?
- Qual o propósito?
- Achas que te trará benefícios?
- E se nao gostarem do que escreves?
- Vai mudar alguma coisa na tua vida?
- Pensas que irás ter mais amigos ou mais "menos amigos"?
- Em que é que isto irá contribuir para o benefício do planeta ou da humanidade?
- Em suma, porquê?

Alda:

- "Porque sim!"




                                              A "minha" Boneca dos "teus" Segredos and my Dutch Monkey :-)





26.07.2017
Alda Silvestre